Jorge Rita - Editorial

A fileira do leite necessita de uma estratégia clara e bem definida | Editorial Agricultor 2000

A recente descida do preço de leite pela Insulac de 1 cêntimo por litro é uma afronta não só aos produtores desta fábrica, como também a toda a fileira do leite de São Miguel e dos Açores, já que ainda acentua mais o facto, do melhor leite do mundo ser o mais mal pago da Europa.

Esta indústria, que é a que paga menos em São Miguel, comporta-se indignamente com os produtores de leite, atendendo a que esta diminuição surge em contraciclo, porque durante 2017 e parte de 2016, os preços de leite na Europa subiram significativamente, enquanto, nos Açores, as subidas foram ténues e diminutas.

Desde o final de 2014 até meados de 2016, a indústria na região, desceu o preço de leite em cerca de 10 cêntimos por litro, devido aos mercados lácteos internacionais registarem acentuadas quedas, no entanto, no período seguinte, a recuperação registada nestes mercados foi de cerca de 12 cêntimos, o que permitiu ultrapassar os valores do período negativo, mas a indústria regional, somente subiu o preço de leite em 3 cêntimos por litro.

O mercado dos produtos lácteos permanece em alta, já que os últimos leilões da Fonterra, (Nova Zelândia) que servem de referência para o mercado, apresentaram-se na sua globalidade com sinais positivos. 

A indústria não repercute justamente nos produtores os ganhos que retira dos mercados dos produtos lácteos, e ao mínimo sinal de adversidade resultante das suas ineficiências, penaliza imediatamente a produção, duma forma injustificável e incompreensível.

O Governo dos Açores não pode somente constatar a realidade, tem de agir e criar as condições para que as indústrias se comportem corretamente com os produtores de leite, sob pena, de contribuir para a falência de toda uma fileira.

Deve existir uma reflexão profunda de todos os intervenientes da fileira para que se encontre um rumo e um caminho, onde devem ser definidos critérios, como a quantidade de produção que queremos ou o tipo de sistema de exploração que devemos utilizar.

Não podemos estar continuamente dependentes de indústrias que embora sejam fortemente apoiadas pelo Governo regional e por fundos comunitários, penalizam constantemente os seus produtores, duma forma arbitrária e injusta, tendo unicamente como objetivo, os lucros que apresentam anualmente.

É urgente a criação de um calendário indicativo das ajudas regionais à agricultura

A fileira do leite necessita de uma estratégia clara e bem definida

2018 tem de ser um ano melhor para a Agricultura Açoriana

IV Concurso Micaelense Holstein Frísia de Outono - uma mostra da excelência dos nossos animais

A vinda do Presidente da República à Associação Agrícola de São Miguel é um sinal de confiança nos Agricultores Açorianos

O discurso dos milhões que se revelam tostões

O sucesso da Agricultura Açoriana passará sempre pela existência de organizações de produtores fortes

Um dos melhores leites do mundo é o mais mal pago da Europa

Uma Santa Páscoa

Mercado Agrícola de Santana: Mais um objetivo atingido

A indústria deve ter um comportamento justo e aumentar o preço de leite à produção

A base da economia dos Açores é e continuará a ser a Agricultura

Próximo Governo Regional deve encarar o setor agrícola como prioritário

Pagamentos por conta: Uma grande injustiça

O futuro da Autonomia dos Açores depende duma Agricultura forte e sustentável

Não desistimos de encontrar soluções satisfatórias para os produtores de leite

Prémio Nacional de Agricultura 2015 para a Cooperativa União Agrícola reconhece o trabalho feito em prol dos agricultores

Confiança num ano melhor